1° Memory

Definição de Amor:

 Sentimento que impele as pessoas para oque se afigura belo digno ou grandioso.

 Amor… Um sentimento tão intenso capaz de mudar totalmente o seu mundo, um sentimento que pode curar até as feridas mais profundas, mas que com a mesma intensidade pode te matar aos poucos por dentro, te deixar despedaçado no chão…

 No meu caso estava aos cacos no fundo do poço sem motivos para viver, sem motivos para querer sair daquele lugar sombrio, onde entrei sem passagem de volta, Aquele era o fim… A cada corte um alívio. Sabe oque fez isso comigo? Promessas, ilusões, palavras ditas olhando nos olhos, rosas e corações… Um falso amor, onde somente uma pessoa se entregou de corpo e alma… E esse alguém foi eu… Porquê as pessoas são assim? Sentem prazer em destruir corações. Não consigo ver nada além da escuridão que me invadem, permanecia ali naquele lugar frio e escuro onde me deixará… O espelho a minha frente me mostrava o carrasco humano… O ser que agora desprezo por tamanha idiotice… Por ser tão ingênua, não consigo ver o reflexo no espelho aquelas imagens eram fortes demais… Realmente é o fim… Fechei meus olhos que pesavam enquanto escorriam lágrimas, lágrimas de dor.

2° Memory

Definição de raiva:

“ Violento e acesso de ira Com fúria e desespero, aversão e ódio 💔 ”

 

 Aquele sentimento me Matava, eu me via sem saída, me via perdida, me via sem chão.. como ele poderá me machucar tanto assim, como poderá partir meu Coração, eu me entreguei dei tudo de Mim, me permitir AMAR, e olha só o que esse Amor me causou, causou dor, magua, angústia, raiva, Ódio. Me olho no espelho e vejo sombras, sombras de grandes destroços ...

 Sabe essa menina linda de cabelos negros, olhos brilhantes e sorriso encantador ela não existe mais, agora nela só existe dor. Os cabelos ela deixa jogado pela metade do rosto, assim as pessoas que a rodeiam não conseguem olhar completamente nos olhos dela, afinal os Olhos eles são a Essência da Alma. Aquele olhar doce de menina inocente se foi, ele não tem mais espaço naquele rosto delicado que demonstrava tanta inocência.. os Olhos dela são tristes, eles gritam socorro mais ninguém, absolutamente ninguém é capaz de  escutar.. essa menina força tantos sorrisos para fingir uma alegria que não existe.. esses sorrisos são na verdade apenas uma tentativa dela mesmo acreditar que ela é o que está transparecendo (felicidade) daquele quarto … mas não! Ela é Tão Verdade que não consegue se enganar. Ela sabe que no fundo a Tristeza é só uma Alegria que falhou.. que não deu certo, que não teve sucesso...

 Pobre menina que se jogou no mar do amor, mas que não sabia nadar mas confiou naquele que estava a esperar..  começou a afundar e aquele que estava lá não foi capaz de ajudar, ele viu ela desesperada mas não teve coragem de ir até lá, ele teve medo de ir para o fundo socorre-la, se perder por lá e não conseguir voltar...

 Coitada de mim  que me Perdi quando achei que tinha me encontrado; encontrado um Amor que não foi recíproco que naquela relação só eu sentia.. 

 Aaah Aquele Amor, aquele amor se Transformou em Ódio, tudo o que era colorido hoje já não tinha cor.. ela sabia que o Ódio é só uma forma estranha de Amar, mas ela prefere assim.. Viver com esse Amor estranho chamado de “Ódio” conviver com a escuridão na qual ela teve que se adaptar.. afinal o estranho pra ela já era normal!… Quando me dei conta já estava no chão encarando o teto e ao meu redor a escuridão se alastrava, os pensamentos eram tantos, que nem lembrava que já estava há alguns dias sem me alimentar, meu estômago doía mais me negava a comer, eu não queria mais essa vida, na minha cabeça  o desespero virou meu melhor amigo ele gritava dentro de mim acaba com isso… Acaba com isso… Virei para o lado e encarei o espelho, fechei meus olhos em seguida e retornei meu olhar pro teto, Eu o amava tanto ele era tudo pra mim,  era meu motivo de todos os dias, eu dei o meu amor, meu coração, por ele matei e morri e ele jogou tudo fora, hoje não somos Nada…

 Agora aquele sentimento puro e lindo, aquela menina doce não existe mais, tudo morreu em mim, só Eu ainda estou aqui, agora só predomina o ódio e o rancor a dor de um coração que tanto se entregou mas no fim só se Machucou!

3° Memory

Definição de abandono:

 Imobilidade e indolência, sem amparo sem cuidados.

 

 Ela sê sentia fraca, mas tão fraca que se Abandonou, não tinha forças para levantar daquele chão gelado.. não tinha forças para estancar aquele sangue que a rodeava. 

Me arrastei até a beira da piscina, olhando aquela água cristalina. Porque comigo? Não sou merecedora de um amor sincero?

 Talvez eu estivesse destinada a sofrer e nunca ter o amor de ninguém, Amor é uma palavra que não conheço mais, a dor tomou conta do meu corpo se alastrou de tal forma que não consigo me lembrar das boas sensações. Só dessa maldita dor… 

 As pessoas dizem. Que sempre há uma luz no fim do túnel, mas provavelmente elas nunca se sentiram a beira da morte, nunca se sentiram sendo engolidas pela escuridão; Não existe luz no fim do túnel para mim. O desespero grita… Grita… e eu só consigo escuta-lo.. Nenhuma voz ecoa dentro de mim como a do Desespero, esse som frio e Obscuro me maltrata tanto e me tira até a visão! “ Acaba logo com isso… Está esperando oque? Ele voltar? Ele nunca vai voltar! ”

 - Gritava o desespero! 

 Tapei meus ouvidos para não escutar, porém foi uma tentativa em vão as vozes vinham de dentro, puxei meus cabelos em um ato desesperado… Só assim eu podia ter paz, aliás só assim eu conseguia me acalmar…

 O desespero finalmemte adormeceu… Chorei baixinho para não acorda-lo já não suportava mais tanta dor.

 Por fim eu me Abandonei, queria não sentir absolutamente NADA!

 …. Coloquei meus pés naquela água gelada, porém eu estava anestesiada nada incomodaria mais do que tudo isso que está me sufocando por dentro. Entrei dentro daquela banheira fui mesentando no fundo, rapidamente a água de transparente ia ficando com um tom avermelhado, causado por meu sangue. Deitei no fundo com os olhos abertos. Meus pulmões gritavam por ar mais eu continuei ali no mesmo lugar, já me sentia fraca demais para me levantar mas também eu não Queria me levantar, aquela voz voltou a falar e eu atentamente ouvi.. “ pronto menina agora todos os seus sofrimentos vão ter fim ” então a agonia tomava conta de mim, a morte me deu as mãos e eu as segurei com toda a força que ainda tinha enquanto meu corpo agonizava. Aos poucos eu perdia a vida, sentia meus olhos pesarem e aquele foi o único momento em que me senti realmente bem, finalmente todo aquele sofrimento teria um fim… 

 Pensava eu enquanto olhava aquela banheira, ainda sentada naquele chão gelado..  meus pensamentos me confundiam.. juntei todas minhas forças para Levantar, dei alguns passos até aquela banheira Branca, arranquei minhas roupas, me apoei na parede para não escorregar, sentei-me na banheira abri a torneira e enquanto aquela água ia cobrindo meu corpo me perguntei, não seria melhor eu colocar mesmo um fim?!

4° Memory

Definição de Agonia:

Estado de transição que precede a morte, fase de decadência que pronúncia o fim.

 

Acaba com isso! - Gritou o desespero.

 Encarava aquela água quente que queimava meu corpo, mas assim eu me sentia mais calma … Não aguento mais, dentro do meu coração tem um vazio que nada nem ninguém pode preencher, exceto Ele… Eu aceitaria ele depois de tudo, porque eu o amo e o quero aqui comigo, dizendo que vai ficar tudo bem, que nunca me deixaria, que seríamos eternos um para o outro… Afundei na banheira olhando para a porta… No fundo eu ainda tinha esperança que ele entraria pela aquela porta e me tirasse desse lugar sombrio… Mas nada disso aconteceu.  Não… não… me nego a acreditar que ele não me amou nem um pouquinho, eu me entreguei em todos os sentidos para ele e ele nunca me amou… Oque aconteceu com todas as promessas e sonhos, era tudo mentira?. Por mais que eu tentasse ficar no fundo da banheira meu corpo subia a superfície em busca de ar, me levantei e caminhei até meu quarto com dificuldade, peguei uma de nossas fotos que estava do lado da minha cama fiquei admirando por um bom tempo enquanto as lágrimas não cessavam em cair “ Meu amor volta pra mim eu te perdoou, eu te aceito como for ” - Gritei rasgando a foto.

 Deitei na cama paralisada olhando pro teto fiquei assim durante um bom tempo, escutei alguém bater na porta.

- Filha você está bem? Cheguei ontem e você já estava no quarto… – Disse minha mãe.

- To bem mãe, Estou bem… – menti.

- Filha tem alguém aqui querendo te ver…

- Eu não quero ver ninguém…

- Nem Eu?

Era ele… Ele veio me ver… Ele se importa comigo!

 Corri e abri a porta rapidamente, ele entrou e minha mãe saiu para deixarmos sozinhos.

Ele entrou calado observando tudo em sua volta .

- Meu amor eu sabia que você se importava comigo…

- Olha… Quero que você saiba que só vim deixar as coisas claras, sua mãe me ligou falando que você não sai desse maldito quarto desde que terminamos. - Ele deu uma pausa olhando fixamente para o chão do banheiro que estava marcado pelo meu sangue.

- Eu não acredito que você fez isso de novo! Oque você tem nessa sua cabeça! - Ele Gritou agarrando meus pulsos vendo os cortes profundos que havia neles, fiquei intacta sem reação.

- Eu nunca gostei de você, nunca entendeu? tudo oque houve entre nós só foi prazer algo passageiro, nunca quis nada sério com você, oque você achou ? Que éramos um casa! Vê  se coloca isso na sua cabeça e pare com toda essa frescura não quero mais que sua mãe me ligue entendeu ? Entendeu!

- Não amor por favor, não vai eu te amo eu sei que você não me ama agora… mais você pode me amar volta pra mim por favor eu faço tudo oque você quiser por favor volta pra mim!. - Cai  de joelhos implorando enquanto ele Me olhava friamente, as lágrimas não paravam de cair eu estava desesperada.

- Chega! chega de show, eu não gosto de você, nunca vou gostar, repugnava seus beijos, cansei de ter que te aguentar, levanta desse chão mostra um pouco de dignidade. - ele me puxou pelo braço e eu o agarrei implorando para que ficasse ele me empurrou na cama me olhando friamente nos olhos.

 Aquilo acabou comigo a raiva tomou conta de mim, me levantei e Empurrei ele para fora do meu quarto.

- Sai daqui! te odeio, sai daqui! - Ele novamente segurou meus braços apertando onde estava os machucados, Gritei de dor ele me olhou pela última vez e saio enquanto me desabava no chão.

- Filha oque aconteceu? - Disse minha mãe se aproximando da porta.

- Nada sai daqui quero ficar sozinha… - Me levantei e tranquei a porta ela não insistiu. Fiquei ali no chão acabada sem saída, sem rumo, sem vontade de viver… Queria acabar com tudo aquilo, queria sumir do mapa… Me levantei e peguei alguns calmantes e os tomei fiquei deitada esperando que eles fizessem efeito, mais não aguentava aquela Agonia aquele desespero. Me levantei daquele chão gélido e sai correndo sem rumo, era noite estava frio mas nada me importava, o desespero era mais forte que eu, entrei em uma rua deserta, tudo estava começando a girar, Oque está acontecendo? Minha visão estava turva, me virei e vi uma luz forte se aproximar, não sentia minhas pernas a única coisa que pude sentir foi o impacto da queda, aquela luz parou muito próxima de mim, não conseguia me mexer, nem pronunciar nada, uma pessoa se aproximou e falou algo que não pude entender, tentei enxerga-lo porém só vi seus olhos azuis, eles brilhavam tanto, como uma jóia, aos poucos fui perdendo os sentidos, até que  adormeci um sono profundo e eterno.

5° Memory

Definição de ausência:

 Inexistência, carência, falta. perda transitória de consciência.

 

 Aqueles olhos azuis ficaram fixos olhando pra mim, ele me dizia algo que não conseguia entender...

 Aquela Luz branca se aproximando me fez sentir melhor.. finalmente eu encontraria minha PAZ, meus olhos começaram a pesar minha respiração estava fraca deu pra sentir, eu tive certeza de que estava indo para um lugar aonde nada me atormentaria.

 - Mas pera como assim? 

Quando abri meus olhos percebi que aqui não era o céu.. o que é isso, o que ele está fazendo aqui, vestido daquele mesmo jeito que estava no nosso primeiro encontro? Eu que morri não ele, o que ele está fazendo aqui.. estou confusa o que está acontecendo?

 Quem é aquela menina? Ele tinha outra.. por isso não me queria 😢 ela tem cabelos negros como o meu, eu tenho uma blusa como aquela, aquela calça.. ela está virando deixa eu me esconder eles não podem me ver. Como aquela garota pode roubar meu lugar, o que ela tem que eu não tinha, porque não fui o suficiente pra ele, o que faltava em Mim 💭

- como será o rosto dela ?

- É igual o meu?

- Ela sou Eu! 😰 mas eu Morri como assim?

 Me aproximei um pouco mais, ela não poderia ser eu .. não estou entendendo.. 

O que ele está fazendo, ele acabou de beija-la.. mas se ela sou eu, então ele me beijou … aiiwn foi tão perfeito nosso primeiro beijo 😍.. mas não, não posso cair de novo, já me machuquei tanto não quero isso outra vez 😳.. me Recuso.

 E algo falava pra mim, dessa vez não era o desespero, era uma voz suave era algo diferente, pedia que eu olhasse para onde eu não olhei da Primeira vez. 

Mesmo eu não querendo me aproximei um pouco mais.. quando avistei o celular dele tive uma grande surpresa… que mensagem é essa?!.

 - Aposta Ganha, ela é minha! 👌🏼😂😂😂

 - Não, é mentira isso não aconteceu.. claro que não. Ele não faria isso ele não é assim.. me Recuso a acreditar, como ele pode? 

 Eu estava tão confusa, as lagrimas não cessavam em cair, como aquilo poderá acontecer como nunca vi isso.  

 Logo então estávamos nós dois na escola, eu queria tanto me aproximar.. mas ele não sabia que eu estava ali...

  - Olha ele estava estudando depois das aulas, viu .. ele não mentia pra mim, ele realmente estava estudando. Ele não pode ter feito isso não consigo acreditar, então logo me vi sorrindo olhando ele atento aos livros, mas aquela menina que está se aproximando, não precisa chegar tão perto, tem tantas mesas vazias na biblioteca porque vai sentar justo do lado dele, sai daí garota. Sai...

 … Pra onde eles estão indo, ninguém entra ali não pode entrar é proibido, pera o que você está fazendo com ela, não, não beije ela.. tira a mão dai, para, para estavamos juntos,  não faz isso.. eu não quero ver. Gritei! e agora era o desespero, ele voltou aquilo me machucava demais. Fechei meus olhos, não podia ver aquilo.. queria sair dali mas não conseguia .. parecia que estava presa com Ele. Por que onde estava, eu tinha que estar?! Porque, já não basta ele ter acabado comigo, maltratado meu Coração, Me deixa ir eu só queria morrer. Só morrer Me deixa ir eu gritava mas minguem podia Me ouvir. Eu gritava com ele, mas ele não me ouvia. 

Me tira daqui gritava cada vez mais alto pra ver se ao menos alguém me escutava, mas de nada adiantou .. tapei meus olhos mas não pude deixar de ouvir todos aqueles sons me atordoavam...

Então .. finalmente silêncio. 

 Abri meus olhos devagar e pude notar ela com aquele olhar maliciodo e ele fechando o zipper da calça saindo daquela salinha pegando seu material e seguindo até a porta. 

 Eu o seguia, xingava ele mas ele não me ouvia era como se eu não estivesse ali. Ou melhor eu realmente não estava ali, minh'alma não estava em mim Isso era tão estranho, como isso pode acontecer? Como eu me AUSENTEI de mim? 

 .. Eu perguntava pra onde ele ia agora, qual era a Merda que ele ia fazer.. mas todas as palavras eram em vão ele realmente não podia me ouvir. Era estranho pensar que eu não estava mais ali!

 Quando eu vi ele sê aproximar do meu portão lembrei de tudo que fiz e novamente desabei a chorar. Fui tão ingênua 😐

…. “ Eu estava ali Alegre em vê-lo .. toda carinhosa, cheia de amor pra dar, estava disposta a ser Tudo pra ele, assim como ele era tudo pra mim.. ele me Abraçou me beijou e disse que queria uma coisa de mim me olhou malicioso. Senti medo fiquei reciosa mas pedi que ele me falasse o que queria.

 Quando notei estávamos dentro da minha casa ele não parava de me olhar, já estava constrangida .. não sabia o que fazer nem como agir, no fundo eu sabia o que ele queria mas era cedo ele não podia me pedir isso.. não agora. Então ele começou a falar interrompendo meus pensamentos, me dizia que gostava de mim mas que não estava aguentando, que parecia que eu não o amava de VERDADE, disse que iria me deixar.. eu não podia admitir, falei que ele não poderia fazer aquilo comigo, que eu faria o que fosse pra ele ficar. E realmente o fiz…

 Olhando pra tudo aquilo só conseguia chorar, ele me Machucou, me usou, me tirou de mim. Mesmo que eu gritasse não iria resolver já entendi que eles não podem me ouvir, e mesmo que pode-se de nada adiantaria isso Já me aconteceu. Percebi que fui tão burra, que me entreguei por um amor que não passou de uma aposta. Aquelas palavras ah aquelas palavras.. chorava tanto que já quase não tinha ar.

 Diante de tudo aquilo, implorei para que me deixassem voltar pra mim.. implorei por Ajuda, não queria ver mais NADA, eu não aguentaria mais que isso. O pior de tudo foi perceber que antes de Poder me ver por fora de mim, eu já não pertencia a mim.. o que eu fiz de mim? porque eu fiz tudo isso? Porque Eu deixei ele me roubar de mim! 😢😢😢

6° Memory

Definição de caindo em si:

 Arrependimento, oportunidade de nos levantar e mudar a história.

 

 Quais pecados cometi para merecer isso, reviver todas o meus sofrimentos novamente, séria assim para sempre? Presa em minha vida e assistir a tudo outra vez, ver a minha desgraça passar como um filme… Que se repetia… Uma, duas, três vezes… Eu estava sangrando por dentro…  Me sentia cansada, com raiva, estava tão sozinha… Eu só queria voltar no passado e fazer tudo diferente…

Desabei no chão, chorando lágrimas que se perdiam ao cair de meus olhos…

- Ei acorda… - Uma Voz falava longe quase não se escutava, parecia mais um sussurro.

Eu vagava em busca de uma saída, em busca de uma maneira de reverter todas as minhas idiotices.

Porque eu fiz isso! Porque…

- Ei calma abra os olhos… - A voz novamente falava comigo.

- Não! Você não entende eu morri, não me atormente mais… - tapei meus ouvidos e Fechei meus olhos fortemente, me senti um pouco tonta quando reabri, vi aqueles olhos azuis cravados em mim…

 - Não acredito você acordou, vou chamar as enfermeiras.

Olhei ao redor e era um quarto de hospital, eu tinha arrepios a hospital, mas porque estou em um Hospital? Eu morri…

Tudo estava muito confuso, virei pro lado e vi um buquê de rosas vermelhas e brancas, nunca havia ganhado rosas antes, elas são tão lindas, estiquei meu braço para pegar uma das rosas e vi um dos cortes, era como se eu tivesse visto um animal veneno em meu braço Fechei meus olhos ofegante virei meu rosto para não ver aquele corte ele me lembrava a escuridão… Eu tinha medo que ela voltasse…

- Ei.. você está bem ?

Olhei para cima e lá estava ele alto, forte, seus cabelos ondulados estavam úmidos deixando um de seus cachos caído sobre a testa aqueles olhos azuis  que não me saía da cabeça, eles eram hipnotizantes. Ele segurava minha bochecha olhando fixamente nos meus olhos, Desviei o olhar… Tinha algo em seus olhos que me fazia sentir diferente, eles pareciam me enxergar por dentro, enxergar minha alma… Parecia que ele sabia de tudo, e eu não queria que ele visse o quão obscuro é…

- Estou bem obrigada…

- Eu estava preocupado com você, se algo tivesse acontecido eu nunca me perdoaria.

- Não foi sua culpa eu caí na frente do carro.

- Oque você fazia aquela hora em uma rua deserta?

- Estava fugindo…

- De quem?

- Da realidade….

- Você não é a única… - Apertou minha mão, para me reconfortar, sua expressão ficou triste tive vontade de abraçá-lo… Mas eu mau o conhecia, eu senti algo estranho, uma vontade de ficar ao lado dele somente olhando em seus olhos em silêncio… Que bizarro ficar assim com um desconhecido que quase te atropelou.

Ele parecia entender a minha dor, não me questionou, nem saiu correndo ele só me abraçou e disse que tudo ia ficar bem… Eu Me sentia tão segura em seus braços, eles me passavam segurança… Até parecia que nos comunicávamos através de olhares.  Ele parecia um anjo…

Ficamos em silêncio abraçados, eu escutava a batida do seu coração que cada vez ficava mais forte, aquele som era música pros meus ouvidos…

 Ah tanto tempo não me sentia assim segura, tranquila, sem medo da escuridão, que eu me coloquei.

Como eu pude ser tão ingênua, ele só queria me usar, só queria me fazer de troféu para sua aposta, sabe oque dói… Saber que eu não fui capaz de enxergar isso, meus olhos estavam tapados e eu só via oque eu queria ver… Eu fantasiei um cara perfeito que me amava e acabei descobrindo da maneira mais cruel que ele só existia em minha imaginação…

 Estou marcada de todas as formas pelo sofrimento…

 A vida me deu outra chance e pretendo agarra-la com todas as minhas forças, aquela luz no fim do túnel que não conseguia enxergar, agora posso vela se aproximando…

 E a partir de hoje minha vida vai mudar…

7° Memory

Definação de Esperança:

Expectativa na aquisição de um bem que se deseja.

 

 Olhando as estrelas pela janela, estava perdida em meus pensamentos… Já estava quase amanhecendo e não tinha sono, tinha tantas coisas para pensar… 

 Senti uma mão em minha cintura e um arrepio percorreu minha espinha… 

- Está pensando em que?

- Quem é você? Cadê minha mãe? Porque você continua aqui comigo? - Questionei olhando em seus olhos, ele abaixou a cabeça sorriu de lado e seguiu seu olhar no meu.

- Eu pedi para sua mãe para ficar… Eu sei que pode parecer estranho para você eu sou um estranho e estou aqui com você, mas eu preciso cuidar de você por mais que a culpa não tenha sido minha eu tenho essa necessidade…

- Porque você tem essa necessidade de cuidar de mim? Você não sabe nada sobre mim, de onde sou… oque eu faço…

Ele Agarrou meu rosto e sussurrou:

 - Tudo bem vamos dar tempo ao tempo não fala mais nada deixa só eu te olhar…

 Ele estava tão perto… Meu coração pulsava de tal maneira que podia escuta-lo. Ele direcionou seu olhar para os meus lábios e estremeci dos pés à cabeça…

Tentei não demonstrar reação sobre o que estava acontecendo comigo.. Era cedo demais não podia ceder aos encantos de alguém que eu não conhecia...

 Pedi licença e disse que ia voltar apreciar as estrelas no céu, ele logo me respondeu … - Tudo bem vou ficar aqui quietinho do seu lado. E ali ficamos...

 O silêncio dominou aquele quarto de hospital.. não dava pra ouvir nada a não ser as vozes que soavam dentro de mim...

 …. Hoje eu percebo que o mundo não se resumia naquele amor onde só eu amei, naquele caos que eu me enfiei … naquela guerra que eu mesma criei comigo mesma, hoje eu vejo que o mundo é muito mais que isso, o mundo é tudo o que está no externo o mundo é todas as coisas, seres .. é tudo aquilo que antes eu não conseguia ver.

 Sou grata aquela voz diferente, suave, que ecoa em mim, quanto mesmo sem querer ou perceber eu me ausentei de mim. Agora me sinto melhor, vejo que tudo o que ele roubou de mim.. eu posso recuperar ou reconstruir. Agora sim eu vejo a Luz. Agora eu tenho algo que a tempos eu não tinha.. 

 Esperança de Viver de novo, vontade de mudar e fazer tudo diferente a partir daqui…

8° Memory

Definição de aceitação:

Ato ou efeito de aceitar algo ou a si próprio.

 

Após alguns dias internada aguardava ansiosamente o médico, eu não aguentava mais ficar no hospital.

 - Cadê a minha paciente favorita. - Disse o médico entrando no quarto. Sorri com seu jeito brincalhão.

- Deixe me ver. - Ele se aproximou e colocou uma luz nos meus olhos.

- Bom você está ótima pronta pra ir para casa, mas precisa tomar cuidado para não cometer nenhum ato imprudente como esse, você poderia ter se matado e não estaria aqui hoje, se cuida viu.

- Obrigada… Ele apertou minha bochecha e saiu.

Me levantei da cama ansiosa para ir pra casa, me arrumei e esperei até que trouxessem os papéis da minha alta.

- Oi… - Ele se aproximou e sussurrou em meu ouvido.

- Oi… Onde você estava?

- Assinando os papéis da sua alta, você já pode  ir pra casa.

- Não vejo a hora de chegar em casa… Comer a comida da minha mãe, deitar em minha cama.- Enquanto Eu falava percebi que em seus olhos tinha um traço de tristeza. - Oque houve? - Questionei.

- Nada estou feliz por você… Vamos?

- Vamos. - Ele pegou minha bolsa e caminhamos em silêncio até o elevador, ele segurou minha mão, sorriu e em seguida direcionou seu olhar para a porta, ele parecia tenso, preocupado, saímos do elevador caminhando até o lado de fora do hospital.

- É aqui que agente tem que se despedir. 

- Espera deixa eu ligar pra sua mãe…- Disse pegando o celular.

- Não! Não precisa, eu vou andando.

- Então deixa eu te levar pra casa?

- Não, eu vou sozinha. - comecei a caminhar e ele me segurou.

- Ei. - Ele disse se aproximando. 

- Foi bom te conhecer.- Não deixei que ele falasse, não podia, comecei a caminhar e ele continuo parado me olhando até que não pudéssemos mais nos ver. Eu precisava pensar, pensar sobre tudo oque aconteceu comigo nesse tempo… Em tudo oque aconteceria daqui pra frente. 

O caminho foi curto para tantos pensamentos, eu não percebi que tinha se passado uma hora.

Abri a porta de casa e fui recebida com um abraço super. apertado da minha mãe, ela chorava.

- Filha você voltou, senti tanta a sua falta… Eu te amo, Vem ver oque eu fiz pra você.- Minha mãe me puxou até a cozinha onde havia um bolo de mousse, o meu favorito.

- Obrigada mãe… Eu vou subir tomar um banho e desço para que comemos juntas.

- Filha!

- Já volto mãe .- Dei um beijo em sua bochecha e subi correndo ela me acompanhou, abri a porta e fiquei parada observando cada detalhe.

- Oque aconteceu aqui? - Me virei e encarei minha mãe.

- Filha eu achei melhor mudar a decoração, os móveis tirar todas as coisas que te lembrasse a el… A todos momentos difíceis que você passou aqui… Eu achei melhor. – Disse hesitante.

- Tudo bem mãe, mas porque rosa mamãe! - Nós duas rimos juntas.

Minha mãe passou o tempo todo comigo não saia de perto nem um segundo até dormiu comigo no meu quarto, é muito bom ter a minha mãe por perto estávamos tão próximas tão bem juntas ela estava cuidando de mim como se eu fosse um bebê recém nascido eu adorava que ela mexesse em meus cabelos enquanto pegava no sono.

No dia seguinte acordei e minha mãe não estava ao meu lado, levantei e fui até o banheiro fazer minha higiene matinal, fui até o banheiro e abri a gaveta para pegar um laço de cabelo quando abri vi uma lâmina paralisei, fechei meus olhos não queria fazer aquilo outra vez, ser tentada a cometer os mesmos erros, fechei a gaveta rapidamente com as mãos trêmulas. Sentei no chão tentando me recuperar… Após me sentir mais calma me arrumei e desci para cozinha minha mãe estava preparando o café da manhã.

- Bom dia mãe.

- Bom dia filha tudo bem? - Questionou franzindo o cenho.

- Estou bem mãe…

- Você está pálida.

- Calma mãe eu to bem, vou correr um pouco para espairecer.

- Eu vou com você…

- Mãe! Eu quero ir sozinha… Por favor?

- Está bem mais não demora tá!

- Tá bom dei um beijo em sua bochecha e saí.

Coloquei meu fone no último volume e comecei a correr, por mais que eu tente ser forte e aguentar tudo sozinha eu preciso me abrir com alguém sobre meus sentimentos eu sei que tenho um problema, e que preciso de ajuda pra resolve-lo mas não sei se estou preparada pra… Nunca conversei sobre meus sentimentos, mas tenho consciência de que é necessário para que eu melhore… Hoje tive tanto medo quando vi aquela lâmina, pensei que aconteceria novamente que teria uma recaída… Eu preciso ser forte, eu sei que sou forte, minha vida está em constante mudança desde o dia que cai na frente daquele carro, e o primeiro passo para mudar é acertar a si mesmo aceitar quem somos e eu me aceito do jeito que sou, sei que posso mudar mais o primeiro passo eu já dei… Fiquei tão perdida em meus pensamentos que acabei esbarrando em um rapaz.

- Me desculpe… – Me virei para vê-lo e meu coração palpitou…

- Oi princesa só pode ser o destino… – Disse apertando minha bochecha

Ruborizei com seu toque, eu ficava sem reação a cada vez que o via ele tinha o dom de me deixar sem palavras, sem reação.

- Quem sabe não é…

- Oque você faz por aqui?

- Estava correndo… Precisava pensar um pouco minha mãe não me deixa sozinha nem por um segundo.

- Sortuda…

Fiquei parada olhando naqueles olhos iluminados pela luz do sol, eu percebia que estava acontecendo alguma coisa entre agente… Talvez o início de uma grande amizade, nunca tive um amigo mais ele se mostrou mais que isso… Realmente ele parecia um anjo,  anjo enviado para me salvar… E fazer eu me sentir tão bem… Meu anjo…

9° Memory

Definição de Decisão:

Capacidade de resolver sem hesitação; coragem, firmeza e determinação.

Ele me beijava suavemente um beijo tão doce… Tão calmo… - Ei… - ele falou em meio aos nossos beijos.

 - Acorda… Olhei aqueles dois oceanos e eles brilhavam.

 - Estou acordada me beija… - Acorda princesa - Ele continuava me olhando com um sorriso malicioso, eu fiquei sem entender… Espera ! 

Abri meus olhos e Fechei imediatamente o sol estava bem na minha cara, minha mãe me olhava com um sorriso malicioso… 

- Pelo jeito você teve bons sonhos - Gargalhou.

- Mãe ! Não achei graça…- Fiz bico jogando o travesseiro nela.

- Me fala filha sonhou com quem?

- Ninguém mãe, ninguém! - Sai batendo o pé até o banheiro tentando esconder o sorriso.

Que sonho estranho! acho que estou ficando maluca. Balancei minha cabeça tentando afastar as imagens. Tirei minha roupa e entrei no banho assim que terminei vesti um roupão e resolvi escrever no meu diário, tinha o costume de escrever todas as manhãs, procurei ele por todos os lugares do meu quarto mais não encontrei  em lugar algum, desci até a sala onde minha mãe estava.

- Mãe onde está meu diário?

- Eu não sei filha, acho que está junto com suas outras coisas no porão.

- Vou busca-lo - Corri em direção ao porão desci as escadas e entrei, em cima de uma estante tinha uma caixa com meu nome, abri e lá estava todas as minhas coisas, acabei achando fotos “nossas” olhei cada uma, por um momento todos aqueles sentimentos ruins começavam a acordar, peguei a blusa que ele deixou comigo no dia que nos entregamos bom… EU ME ENTREGUEI… Abracei-a ainda conseguia sentir o cheiro dele… Lágrimas começavam a cair dos meus olhos incontrolavelmente, desabei no chão sentindo como se um buraco estivesse se abrindo dentro de mim… Dentro do bolso da blusa tinha uma gilete peguei e fiquei encarando-a.

- Filha… - Minha mãe Gritou me tirando daquele transe, joguei a gilete no lixo, eu não sou mais assim… eu não quero mais isso para minha vida.

- entra mãe…

- Oque foi filha?

- Nada eu só quero sua ajuda para jogar essas coisas fora. - Minha mãe me olhou sorrindo e me ajudou a jogar a caixa no lixo.

Quando soltei aquelas caixas no chão, soltei também todo aquele peso que insistia ficar em Mim.. que eu achei que tinha ido embora, mas que só estava adormecido e por alguns instantes quis voltar.

 Entrei dentro de Casa decidida a procurar ajuda, então lembrei que quando praticava a bulimia e comecei os primeiros cortes minha mãe quis me levar ao psicólogo mas eu hesitei em ir.. Agora quem quer sou eu, eu sempre soube que os psicólogos não são para loucos, mas para ajudar para que não fiquemos loucos, então eu vou.. pois eu não posso deixar que essa dor Acorde dentro de mim.

 A manhã passou tão lentamente, na hora de almoçar .. comi rapidamente e fui ao consultório da doutora agendar minha Consulta. Por sorte quando cheguei lá ela disse que estava disponível e que poderia me atender naquele momento.

 Ao me sentar naquela cadeira, me senti um pouco estranha, as pessoas falam tanto sobre os psicólogos que estava um pouco assustada com o que as pessoas pensariam de mim indo até lá.. mas nó decorrer da conversa todos aqueles pensamentos sem fundamentos foi caindo por terra e ela me disse uma coisa tão fascinante que levarei pra vida inteira .. “ Se você quer voltar a Andar, primeiro levante da queda.. não tem como andar sentada no chão.. é visível que você ainda está frágil e com medo de que tudo volte a tona mas confie mais em você, você ter vindo ao meu consultório com todos os pensamentos que tinha sobre minha profissão já foi um grande passo, acredite mais em você. No que você é capaz. Olha pra você...

- Ela levantou de sua cadeira me chamou e levou até um espelho que tinha no canto da sala.. e novamente disse: Olha para você! Você é linda do jeito que é, com esse sorriso tímido, com suas roupas pretas, com seu jeito envergonhado, com sua história de vida.. e enquanto ela falava eu sentia minhas bochechas rosarem e abaixava a cabeça e em todas as vezes que eu fiz isso, ela colocava o dedo em meu queixo e o levantava e dizia.. Não abaixe a cabeça, mantenha sempre erguida diante das situações e de você mesma. 

Nós somos os nossos maiores inimigos, e temos que nos vencer todos os dias sem excessos de nenhum.. somos guerreiros.. e os guerreiros vão para a luta para VENCER.. e pra isso que você veio aqui para vencer menina.  Vem cá vamos nos sentar…

… nos sentamos e ela disse: como é seu ciclo de amizades, você já namorou? Na hora não pude disfarçar meus olhos ficaram marejados e não pude conter algumas poucas lágrimas, ela rapidamente disse.. calma, mas não se preocupe se quiser chorar sinta-se à vontade temos tempo quero que fale só quando se sentir segura...

Passou-se alguns minutos e já me sentia melhor, contei tudo de todos os detalhes desde o meu primeiro encontro com aquele ser até o último dia no hospital.. e a cada palavra ela me olhava atentamente, não desviava os Olhos dos meus um minuto se quer. 

 Quando terminei ela me deu muitos concelhos e frisou que eu precisava entender que não somos Robôs que viver a base de pilhas que quando descarregam é só mudar as pilhas e está novinho em Folha, que não vivemos como eles que não precisam de afeto pois são máquinas, nós somos de pele, osso, carne que temos sentimentos e precisamos cuidar deles.. temos os bons e os ruins e precisamos alimentar somente aquele que nos faz bem. Ela disse que eu precisava de alguém que estivesse comigo, partilhando conversando fora daquele consultório.. pois ao sair daquela sala eu precisaria de alguém que a fizesse me companhia que me fizesse sentir que tenho vida novamente que eu precisava de novos amigos” …

 Quando sai dali, já sabia que precisava ir atrás dos meus olhos azuis “ pera! porque eu disse meus olhos azuis, eles não eram meus, eu nem se quer sabia onde ele morava, ou algo da Vida dele ” como eu poderia encontrá-lo.. 

Minha mãe me gritou interrompendo meus pensamentos.

- Filha espera, pra onde você está indo.. no que está pensando, esqueceu da sua Mãe foi? 

- Não mãe é que….

- Não precisa me falar mais nada, eu já sei mocinha… Esta Aqui o número dele.. 

- Não contive o sorriso..  logo disquei o número em meu telefone.. e então.

 

- Alô …………

10° Memory

Definição de recomeçar:

 Começar de Novo.

 

Quando ouvi aquela voz, tudo em Mim estremeceu minha voz não saía e novamente o ouvi...

- Alô! Tem alguém aí...

- Quem é?

Então com a voz trêmula eu disse:

- Oi sou eu.. 

- Helena é você? Disse ele em um tom de entusiasmo.. 

- sim sou eu, você pode me encontrar naquela praça que nos esbarramos ontem? 

- Claro posso sim, mas aconteceu algo, sua voz está falha..

- Não, não está tudo bem, só queria te ver 😳

- Esta ok então.. em meia-hora estou lá.. - Disse ele desligando o telefone.

.. Logo olhei para minha mãe que sorria.

- Será que fiz certo? – Indaguei , ela rapidamente respondeu 

- Claro que sim… Ande se apresse, vá de taxi é mais rápido, aqui está o dinheiro do táxi. – Disse me entregando o dinheiro. 

 Assim que entrei no carro, fiquei tão dispersa que só ouvi o taxista dizendo.

- Chegamos mocinha. - Lhe entreguei o dinheiro e desci do carro direcionando me a um banquinho.

 Estava tão insegura, não sabia o que dizer e nem por que o chamei...

 Senti umas mãos sobre os meus olhos e aquela voz no meu ouvido falando.. Adivinha quem é?! 

 - Eu sei que é você Allan. - Disse sorrindo e tirando as mãos dele de cima dos meus olhos.. 

 Ele se sentou e disse. - Então o que você me diz? 

 Sorrindo envergonhada eu disse - Nada rs’ Só te chamei pois precisava estar com alguém, me sentir livre sem estar trancada dentro das paredes da minha casa.. passei com uma psicóloga e ela me disse que eu precisaria ter alguém, e olhando pra minha vida agora só vejo você.

 Ele Ficou parado intacto olhando nos meus olhos sem desfiar e não disse nada, aquele silêncio me incomodava. E então comecei a falar. 

-  Desculpa eu sabia que não era pra eu ter te ligado, não deveria ter feito você perder seu tempo, não se preocupa estou indo embora. - disse me levantando, rapidamente ele levantou também segurou meu braço e disse. 

- Espera não vai, Eu fiquei tão feliz por você ter pensado em Mim que não soube como agir, mas não vai.. fica aqui, por favor fica?!  

- Quando eu olhei nos seus olhos eu lembro de tudo, de todos os momentos que passei contigo no hospital, e olha só você está de pé.. aquela menina que não queria viver esta aqui Hoje na minha frente dando um nova chance pra vida. Você renasceu minha linda. Naquele hospital eu disse que precisava cuidar de você, eu estou aqui.. deixa eu cuidar de você? 

• Deixa eu cuidar de você?! •

Uma pergunta tão simples, que fez meu mundo dar piruetas, ele é especial e eu não tenho dúvidas disso.

Não importa onde eu parei o importante é que sempre podemos recomeçar traçar uma nova rota para nossas vidas, nada acontece por acaso, e no meu caso todo o sofrimento foi um aprendizado, para me fortalecer e me mostrar o quão sou capaz e hoje começa a minha nova vida, rasguei aquelas páginas clichês onde só existia sofrimento e peguei um novo livro com páginas em branco para que eu escreva uma nova história mais agora uma história de muito amor, clareza, e sabedoria. 

 Aquele “Amor” que tanto me fez sofrer, hoje enterrei junto com os meus medos, tinha determinação em meu olhar e seria assim sempre, tenho um grande caminho pela frente, pois sei que  os sentimentos sempre estarão comigo, a questão é eu saber como lidar com eles, fazer com que nenhum deles me incomode,  sou segura de mim e sei que sou capaz de vence-los. 

Olhei aqueles olhos azuis que estavam apreensivos com medo da minha resposta…

Olhei fixo neles e disse com toda a certeza que tinha em mim.

- Não…

Ele me olhou com os olhos marejados e abaixou a cabeça que levantei em seguida com a mão.

- Ei, não… Não tem o porquê me fazer essa pergunta, pois desde aquele dia em que cai na frente do seu carro você não fez outra coisa a não ser cuidar de mim… E mesmo que eu dissesse não, a uma força maior dentro de mim brigando para que eu diga sim, pois você não é alguém que conheci a pouco tempo, você é alguém importante na minha vida que mesmo que eu tentasse não conseguiria afastar de mim… 

Assim que terminei de falar ele sorriu e me pegou no colo rodopiando pela praça, ele me colocou no chão pegou minha mão e disse.

- Prometo nunca te soltar, mesmo que você não me queira, sempre estarei ao seu lado te protegendo.

- Prometo estar sempre do seu lado te levantando quando fraquejar e cair… – Disse e Estendi meu mindinho, ele fez o mesmo e continuou.

- Guiando quando estivermos sem rumo…

- Para dizer palavras, quando o outro não sabe oque dizer. - Eu Disse

- Para tornar realidade todos os nossos sonhos… - Sussurrou colocando um mecha solta do meu cabelo atrás da minha orelha e continuou a falar.

- Por mais que tudo não passe de uma amizade sempre estaremos juntos não importa oque acontecer…

- Não importa o que acontecer… - Repet

Demos as mãos e começamos a andar era fim de tarde, assistíamos o por do sol como uma atração de teatro, as folhas da primavera caiam conforme passávamos ali, tudo começaria ali, uma nova etapa da minha vida, onde tudo estava nas mãos do destino, Se iríamos ficar juntos? Não sabíamos… mais viveria cada segundo como se fosse o último e deixaria que a vida me surpreendesse com novos desafios onde agora posso dizer, • Desafios que enfrentarei com a cabeça erguida, sem medos e sem fantasma, e o mais importante eu não estava sozinha… Tinha alguém disposto a me ajudar a me dar uma mão quando precisar.

 Sabe aquela luz no fim do túnel hoje carrego ela comigo ela brilha tão forte que ofusca muitos olhos, principalmente daqueles que me fizeram tanto mau… Oque acontecesse daqui para frente não me importaria, eu viveria o hoje e hoje eu estava feliz e com uma pessoa que realmente se importa comigo, então viva o hoje o amanhã só saberá vivendo então não se preocupe com ele, porque ele já está escrito e não mudará com suas preocupações, meu passado como a palavra já diz está no passado enterrado. Oque acontecerá comigo e com Allan só o tempo dirá, mas enquanto ele não diz… vou viver o momento. Bye…

Memory Final

Definição de Felicidade:

Qualidade ou estado de feliz; estado de uma consciência plenamente satisfeita; satisfação, contentamento, bem-estar e Sucesso. 

 

 Acordada no meio da madrugada olhava pela janela o nascer do sol acostumava fazer isso todos os dias, não sei exatamente o porquê mas eu amava ver o dia nascer…

 Hoje é o grande dia… O dia em que inauguraria  minha clínica para jovens com problemas emocionais, assim como tive há dez anos atrás, hoje sou outra pessoa segura de mim das minhas ações das minhas decisões… 

 A terapia me ajudou a compreender melhor as coisas, me mostrou um mundo no qual eu não queria ver, me mostrou que nem todas as pessoas querem o seu mau, que nem todas querem te enganar te iludir que existe sim o Amor, o amor sincero, aprendi a lidar com os meus problemas, e assim como minha terapeuta foi uma ajuda para mim hoje sou para muitos… Já faz 2 anos que me formei em psicologia… Atendo muitos casos como o que eu tinha, hoje vejo tudo oque passei com outros olhos e ajudo os meus pacientes a enxergarem os seus problemas de uma forma diferente… 

 Peguei uma foto do meu casamento que estava na estante do quarto, queria que você estivesse aqui meu amor… Queria que você estivesse ao meu lado, para  procurar seus olhos no meio da multidão quando me sentir nervosa… 

Guardei a foto e fui me arrumar para a inauguração…

 Assim que me aprontei, me olhei no espelho… Sem medos, eu estava tão linda, um vestido longo azul marinho, no busto alguns detalhes com pedras, meu cabelo solto cacheado nas pontas a maquiagem leve ressaltando meus olhos… Estava realmente me sentindo bem, e linda…

Voltei para o meu quarto sentei na cama e novamente peguei nossa foto… A vida foi tão maravilhosa comigo me deu você, eu sabia que um dia encontraria alguém que me amasse realmente, cada canto da casa ainda tinha seu cheiro, e a saudade ficava cada vez mais forte. Estou casada a 6 anos e cada dia é como o primeiro, não há nada melhor que amar e ser amada, queria fechar meus olhos e quando abri-los velo ali na porta… Mas não… você não estava aqui, lembro do dia em que nos beijamos pela primeira vez ainda sinto os seus lábios nos meus…

Escutei um barulho de choro vindo do outro quarto fui correndo. 

Chegando lá vi aqueles olhinhos azuis me olhando assustado.

Me aproximei e ele sorriu.

- Mama… - Tentou falar.

- Oi meu pequenino.- Peguei Pedro no colo.

- Você também está sentindo saudades do Papai né, não consegue dormir meu anjo. 

- E porque você não mata essa saudade. - Aquela voz… 

Me virei e lá estava ele…

- Allan meu amor… - Corri e ele nos abraçou.

- Você acha que eu perderia um dia tão especial como esse… Não perderia por nada nesse mundo.

- Mas e o congresso…

- Shh nada de mais… Vem me abraça.

O abracei mais forte, Pedro começou a reclamar Allan pegou ele do meu colo e começou a dar vários beijos em sua barriguinha Pedro começou a gargalhar…

Minha família… as vezes penso em tudo oque aconteceu, e em tudo oque teria perdido se eu tivesse acabado com minha vida… Depois daquele dia na praça eu a Allan nos tornamos “melhores amigos” sempre havia um olhar diferente, um toque diferente, um abraço demorado, mas não podíamos nos entregar tão rápido eu havia acabado de sair de uma desilusão amorosa, ainda estava com medo de tentar um relacionamento mas o destino se encarregou de nos aproximar cada vez mais, e de uma amizade surgiu um amor lindo e intenso, e naquele momento percebi que no fundo eu nunca gostei do meu ex ele só foi uma pessoa que apareceu em um momento difícil da minha vida, eu quis me apoiar nele para não sentir todos aqueles sentimentos que já estavam em mim, depositei tantas Esperanças nele de que ele me preencheria que não enxerguei todos os sinais que ele não queria nada sério comigo, não o culpo e nem tenho raiva, nenhum sentimento ruim. Hoje somos amigos de trabalho. Vejo ele como qualquer pessoa, temos que aprender a perdoar se quiser viver livre de todos os fantasmas, hoje eu o agradeço se não fosse ele não teria encontrado o meu amor verdadeiro se todo aquele momento difícil não tivesse acontecido eu não teria caído na frente do carro do Allan não teria conhecido o meu anjo e hoje não teria o Pedro nosso menininho.

Meu menininho… penso também em como minha mãe sofreu com tudo, eu não aguentaria ver meu filho tentando  fazer oque fiz, nossa relação de mãe e filha é maravilhosa, não me martirizo por tudo oque aconteceu, eu aprendi muito com isso, a valorizo muito, ela teve toda a paciência quando eu estava naquele estado… Mas hoje minha vida é outra tenho uma família maravilhosa.

Assim como nenhum problema atrapalha o sol de nascer e brilhar um novo dia, nenhum problema me impedirá de recomeçar sempre de lutar sempre…

Allan beijou meu pescoço me tirando dos meus devaneios.

- Vamos?

- Sim… Estou tão nervosa, nem sei oque dizer…

- Estarei lá com você, te apoiando Te dando as palavras quando você não sabe oque dizer… Lembra?

- Lembro… Nossas promessas… Estar ao lado apoiando aconteça oque acontecer.

- e foi isso oque fiz… Senti uma extrema necessidade de estar com você cuidando de vocês dois…

- Como sempre né.

- E sempre será assim linda. 

Peguei Pedro no colo e caminhamos até o instituto estava repleto de pessoas repórteres, todos ali para prestigiar o meu trabalho, subi as escadas onde estava a porta com um laço vermelho.

- Preparada? – Disse Allan olhando nos meus olhos… 

Respirei fundo peguei a tesoura.

- Sempre. – Disse cortando o laço vermelho.

 Minha vida só estava começando, havia uma caminhada pela frente, mas se você tiver Pessoas ao seu lado que te ame e te levem para frente você tem Tudo que um bom vencedor precisa. Viva não tenha medo de experimentar as coisas Que a vida nos dá, certo ou errado você aprendera e não há nada mais glorioso que ser um privilegiado do conhecimento da vida… Va em frente, se você quer e porque vale a pena encista e persista, coisas boas levam tempo mais chegam e por mais que você esteja despedaçado no chão chegará alguém capaz  juntar todos os seus caquinhos e te ajudará a se levantar e traçará uma história linda contigo.

Acredite, nem tudo que parece um final realmente é, as vezes pode ser apenas o final de um capítulo para o começo de um novo…   

Notes about Memory

Helena uma jovem de 18 anos tem a vida marcada por uma desilusão, após depositar todo amor e esperança em um garoto que lhe prometeu o mundo, se vê entre a vida e a morte, a dor da rejeição, de ser enganada à faz entrar em mundo frio e sombrio, ela se sente derrotada e se  entrega ao desespero e é forçada a desistir de si mesma, no fundo Helena não queria acreditar que aquilo era verdade que um amor tão intenso a deixaria feridas tão profundas, cansada de tudo e de todos Helena coloca um fim em todos os seus sofrimentos, na verdade para ela era o fim, mas nem tudo que parece ser um final realmente é, as vezes pode ser apenas o final de um capítulo para o começo de um novo… 

 E assim foi quando tudo parecia ser o fim ela encontra Allan um rapaz disposto a tira-la daquela escuridão, com um coração puro com a sinceridade que transbordava em seu olhar, ele sente uma enorme necessidade de protege-la, mesmo que ele não soubesse quais eram as causas dela de tentar o suicídio .. Ele sabia que além daquela dor que ela aparentava em seu semblante ela tinha algo de especial, algo que o chamou atenção assim como ela, mas mesmo ele a colocando no céu, ela não conseguia se permitir conhecer alguém, mesmo Helena sabendo que seu ex não a merecia ela deixou que ele vivesse dentro dela como um pesadelo eterno, mas um pesadelo que não duraria para sempre.. que só durou até ela Decidir que precisava de ajuda.

  Cansada de bater na mesma tecla Helena decide dar um basta em todos esses problemas, ela vai atrás de uma psicóloga e ao termino da terapia, ela conseguiu enxergar um mundo totalmente diferente,  percebeu que nunca amou seu ex que somente quis se apegar a uma pessoa para que preenchesse o vazio que existia dentro dela, percebeu também que o Allan era mais que alguém que tinha salvado sua vida, que ele já havia se tornado especial, e que sua vida finalmente estava começando a andar para frente que finalmente poderia ir além e viver aquele amor que toda garotinha sonha em viver, sem medo de errar, ela estava tomando um novo rumo, Com toda coragem ela rasgou aquelas páginas clichês onde só havia sofrimento as jogou fora e  pegou um novo livro com páginas em branco para escrever sua nova história na qual Allan é seu protagonista.

  Escrevemos está história como um desafio para nós mesmas, para conhecer e se aprofundar um pouco mais no que é um “SENTIMENTO” então escolhemos alguns para relatar no decorrer da história (Amor, Raiva, Abandono, Agonia, Ausência, Caindo em Si, Esperança, Aceitação, Decisão, Recomeço e Felicidade).. 

 Precisamos sair da superficialidade de um mundo onde os sentimentos não podem ser “sentidos” .. Se você ri demais está querendo se aparecer, se chora esta se fazendo de coitadinha e por ai vai..

Olha só a que ponto chegamos você é criticado e julgado somente por SENTIR, pela sua intensidade em QUE coloca nos seus sentimentos.

 Essa história relata fatos reais de uma jovem que apostou Tudo o que ela tinha em nome de um amor, no qual ela “achava” que sentia e digo achava pois durante todo aquele percurso que viveu de se entregar para aquele jovem ela o “Amava” mas quando ela caiu em si viu que aquilo não era amor era só um preenchimento que ela está tentando fazer em si mesma. 

  A Psicologia ensina que “Tudo aquilo que acreditamos, de certa forma é real” então asseguro que ela não é culpada de tudo aquilo que ela viveu e sentiu, ela apenas ficou submersa diante de toda aquela situação.

  O Sentimento é algo que precisa não só ser sentido mas também ENTENDIDO. Para não cairmos na armadilha de também julgar os outros apenas por sentir. Tendo esse entendimento do que é os sentimentos, conseguiremos manter o EQUILÍBRIO entre eles..

  O Equilíbrio é essencial na vida de alguém, por que se não a pessoa não consegue se manter de pé.. fica sempre a mercê de algo ou alguém!

 Enfim essa é apenas uma história de Conscientização, para que possamos entender que tantas vezes precisamos sim de um meio termo e quem nem tudo é oito ou oitenta!

- Tânia Alves e Tiffany Stefani.